Capoeira Angola

De natureza intercultural, a Capoeira Angola, tal como a conhecemos, surgiu no Brasil levada pelos africanos que, escravizados, tiveram de se organizar individual, social e culturalmente para conquistar sua liberdade. Tribos que tinham sido inimigas, ou não se conheciam, ou sequer falavam o mesmo dialeto tiveram de se integrar no novo mundo para fazer frente à opressora realidade da escravidão. Assim foi como a cultura africana se formou no Brasil, disfarçando suas manifestações e rituais. Utilizando a língua portuguesa e aprendendo com os índios no Brasil, os africanos conseguiram não só manter viva a essência de sua terra natal, mas também enriquecê-la e criar a cultura hoje conhecida como afro-brasileira.

 

 

 


A musicalidade da Capoeira Angola
consiste em cantigas e toques de percussão próprios, cheios de significado para aqueles que participam da roda.  

Cada toque, cada cantiga quer dizer algo aos participantes, especialmente para os que estão jogando.

A bateria da Capoeira Angola se compõe de três berimbaus – com diferentes tonalidades, cada um com sua função específica na roda -, dois pandeiros, um agogô, um reco-reco e um atabaque.

É na roda de capoeira onde esses elementos adquirem vida. Difícil de classificar, uma roda é um acontecimento em si, onde estão presentes, de um lado, a essência dos rituais africanos, e de outro, a teatralidade e a energia da cultura afro-brasileira. A roda consiste em um semicírculo formado por participantes sentados, ou de pé, e pela bateria. Enquanto os que estão na bateria tocam e cantam, os que estão no círculo respondem em coro.
Duas pessoas jogam dentro do círculo. Os jogadores e tocadores se revezam durante a roda. A duração da roda é relativa, e normalmente todos os participantes jogam, tocam e cantam.

 

 

 

“Angola, capoeira-mãe!
Mandinga de escravo em ânsia de liberdade; 

Seu princípio não tem método;
seu fim é inconcebível ao mais sábio capoeirista.”

Mestre Pastinha.

 

A capoeira-mãe continua íntegra em pleno século XXI graças à dedicação de seus grandes mestres, como Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha, 1889 – 1981), o grande guardião de seus fundamentos.

Mestre Pastinha foi o filósofo e poeta da Capoeira Angola. Também foi o fundador do Centro Esportivo de Capoeira Angola, criado em 1941 para manter viva a sua tradição em uma época em que a capoeira corria o risco de ser descaracterizada.

Atualmente, todos os grupos de Capoeira Angola lembram o Mestre Pastinha, que continua vivo na memória dos capoeiristas.  

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información

ACEPTAR
Aviso de cookies